quarta-feira, janeiro 17, 2007

Feminilidade



Nua, vulnerável, frágil


Feminilidade


frágil, fiel, emotiva


carente, amiga...submissa


casta, disponível, necessitada


Bela...Não para mim.


Nada é meu.


Só dum homem... Homem?


O que é homem? Não quero ser um homem...


Existe isso?


Peitoral sarado, braços, ombros, músculos, pênis.


É isso?


Grosso.


É isso?


Isso que queria?


Para suprir a grosseria que me falta?


Que é tão premiada mundo afora?


Dor


É dor...dou...dar. Doar. Leilão de mim


Eu dou


minha vagina


meu eu


meu corpo?


uma puta? Vendo, entrego, cedo. Para quê?
Para me fazer mulher.


prum homem me fazer mulher.


Para ser esta, ser comido, devorado, deglutido, posse abjeta.


Ora, se é apenas comida, coisa efêmera, para que tê-la?
As fomes do Homem não são tão mais sublimes e superiores?


Para quê possuir, domar, dominar, ter, foder, as mulheres,


coisa assim ser valor nem substancia de pessoa?


Aliás, mulher não têm...


Dá. Cede.


autonomia que nos cabe. autonomia que nos restou.


Quem se destrói sou eu, que cedo.


me fudi.


dei a chance


A permissão


relaxei a guarda.


Apesar da minha vagina nem ter direito a guarda...




O que é isso? Vagina? Nunca vi.


tenho? Sou mulher? Sou o quê?


o que devo fazer para ser Ser?




Então eu me rendo. Dou-me a um homem


Para que me inicie no ser-Eu


Que só é um sempre Outro


Um Outro-para-ele


Com olhos emprestados dele.


eu, este corpo que carrega


500 folículos potencialmente óvulos-imanência


À sua disposição


Capital-sexual-reprodutivo privado


De mim




Entrego-me, perdição, à uma paixão arrebatadora


Que para uns é estupidez


Pois tudo em mim é estúpido


Principalmente os sentimentos


meu resquício possível de Pessoa




meu corpo débil, desprovido de músculos, de defesa, vigor


com um buraco-vácuo vazio, escuro e sem valor no meio das pernas fracas


Que qualquer um que porte virilidade e grosseria pode violar


Ao bel prazer



Por intermédio de um Homem posso ter dinheiro


posso ter dignidade, proteção, sustento


Orgulho, algum prazer menor e obrigatoriamente a tal felicidade


meu ser só é se por intermédio de um homem


que o faça valer


parasita




Firmeza, Anestesia da alma, Insensibilidade, Lógica, Sensatez


Indiferença, Poder Inato


Ambição, Guerra, Liberdade


Orgasmo instantâneo, poligamia concunbinato cafetinagem


Civilização




Rendo-me! Imperem


Impere o inimigo sobre meu corpo


que no fundo o que quero é isso


porque foder é bom


Pra eles



rendo-me, entrego-me, cedo o território


Violável meu



ou deveria me unir com o aliado eu


Mulher


Eu Mesma


Companheira lesbiana de Mim?



Tem coração como Eu


Seios como Eu


Vagina como Eu


Ternura como Eu


Espéculo amor de apoio mútuo recíprocidade recíproca


identidade, encontro, dialogo de eus-irmãs


Amiga Força


Solidariedade


Dou-Me a mim




mas mulher sobra no mundo e homem decente falta!
odeio minhas companheiras de luta, minhas iguais,


minhas irmãs


que me fazem infeliz


por frustrar-me em meu intento de


ser aquilo que sou designada a ser


mulher




Pois só um homem pode me fazer mulher


Dizer o que é ser mulher


e posso comprar um homem por algum hímem


Só um desses pode esclarecer quem eu sou


Pois não me possuo.



Alienada de mim.






(agosto.2002, reformado hj)



janaína rossi

Sem comentários: