terça-feira, fevereiro 06, 2007

A Falocracia e o protesto da frigidez

Andrea Dworkin, em Pornography: Men Possessing Women, diagnostica:

"O pênis deve incorporar a violência da masculinidade para que um homem seja macho. [...] A redução do potencial erótico humano ao 'sexo', entendido como a força de um pênis visitando uma mulher que não parece querer a visita, é o cenário que governa a sexualidade em uma sociedade da supremacia masculina. [...] Em toda cultura masculina o pênis é visto como uma arma, especialmente uma espada. [...] Por séculos, a relutância feminina em 'fazer sexo', o desgosto feminino do sexo, a frigidez, foram legendários. Esta foi a revolução silenciosa das mulheres contra a força do pênis, gerações e gerações de mulheres unidas com seu corpo cantando uma canção contemporânea de liberdade em uma linguagem ininteligível mesmo para elas" (Dworkin, 1981, p. 55-56).



(...) Aprendendo como ser desejáveis, elas abdicam de parte de sua autonomia para ganhar uma versão empalidecida de uma vida erótica (com os homens). Andrea Dworkin diz: "A definição de mulher articulada pela pornografia de modo sistemático e consistente é objetiva e real, pois mulheres reais existem dentro dela e devem viver em constante referência aos limites desta definição. O fato de que a pornografia é amplamente tomada como sendo 'representações sexuais' ou 'imagens de sexo' enfatiza apenas a opinião de que mulheres são prostitutas baixas e que a sexualidade das mulheres é percebida como baixa e prostituta em si mesma. O fato de que a pornografia é amplamente tomada como 'imagens de sexo' significa apenas que a inferiorização de mulheres é tomada como o real prazer do sexo. [...] A idéia de que a pornografia é 'suja' se origina na convicção de que a sexualidade de mulheres é suja e mostrada na pornografia [...] (Dworkin, 1981, p. 201).

Sem comentários: